Logo
  • Mulher mata a filha de cinco anos, arranca os olhos e a língua da criança e promotoria pede exame de sanidade mental.

    Publicidade Victor Farma e Auto Posto Piedade

    Uma mulher matou a própria filha de cinco anos e arrancou os olhos e a língua da criança com uma tesoura. A informação foi divulgada na manhã desta segunda-feira (25) pela Polícia Civil.

    ÓTICA PROVISA CURURUPU - Rua Getúlio Vargas Nº 03 Centro Fone: 984966011

    AGENDE A SUA CONSULTA NA ÓTICA PROVISA CURURUPU - Rua Getúlio Vargas Nº 03 Centro Fone: 984966011

    Segundo a polícia, a suspeita tem transtornos mentais. Não há informações, no entanto, se ela teria arrancado os órgãos da criança depois de matá-la. O Instituto Médico Legal (IML) foi acionado para fazer a perícia.

    O 7º Batalhão da Polícia Militar (7º BPM) esteve no local e constatou o crime. A identidade da mulher e da criança não foram divulgadas.

    Após o flagrante, a suspeita foi encaminhada à 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil, em Delmiro Gouveia.

    O caso vai ser investigado pelo delegado Diego Nunes, da Delegacia Regional de Ouro Branco. O crime aconteceu no domingo (24) no Povoado São Cristóvão, em Maravilha, no Sertão de Alagoas.

    De acordo com o Portal G1-AL, o MP-AL pediu que mulher que matou a filha de 5 anos em Maravilha passe por exame de sanidade mental.

    A mãe que matou e arrancou a língua e olhos da filha de cinco anos em Maravilha, no Sertão de Alagoas, foi autuada pelo crime de homicídio e vai para o Presídio Feminino Santa Luzia, em Maceió, informou a assessoria da Polícia Civil nesta segunda-feira (25). O Ministério Público Estadual (MP-AL) solicitou à Justiça que a mulher passe por exame de sanidade mental.

    O promotor de Justiça Kleytione Pereira disse que há fortes indícios que a mulher tenha transtornos psiquiátricos.

    “O Ministério Público deixa nesse momento de pedir a sua prisão preventiva, mas considerando a sua periculosidade, a gravidade do crime, manifestou-se pela internação no Hospital de Custódia e Tratamento Psiquiátrico, bem como requereu a instauração a instauração de incidente de insanidade mental para verificar se de fato a acusada é portadora de problemas psicológicos, problemas psiquiátricos, e qual a extensão dessa doença, caso ela possua”, disse.

    Delegado Hugo Leonardo dá detalhes sobre caso de mãe que matou e arrancou órgãos de filha
    Delegado Hugo Leonardo dá detalhes sobre caso de mãe que matou e arrancou órgãos de filha

    O delegado de Santana do Ipanema, Hugo Leonardo, disse em um vídeo que os familiares da mulher serão ouvidos, mas que as investigações apontam que ela teve um surto psicótico quando cometeu o crime.

    A mulher cometeu o crime no banheiro de casa. Os familiares arrombaram a porta quando sentiram falta da mãe e da filha.

    “Neste período, verificaram por trás da residência, pelo ralo e pelo esgoto do banheiro, que estava saindo água e sangue ao mesmo tempo. Os familiares arrombaram a porta do banheiro e ao entrarem no local verificaram que a criança já estava em óbito. A mãe estava com uma tesoura onde ela tinha acabado de cortar os olhos e a língua da criança”, disse Hugo Leonardo.

    De acordo com o delegado, policiais militares que prenderam a mulher disseram que ela estava transtornada. A Polícia Militar foi informada que ela tinha transtornos psiquiátricos. A mulher foi levada para o hospital da cidade e medicada, e logo em seguida foi encaminhada para a 1ª Delegacia Regional de Polícia Civil, em Delmiro Gouveia.

    “O flagrante foi realizado, foi confeccionado e encaminhado ao Poder Judiciário. Ela encontra-se presa e vai responder pelo crime. O judiciário já foi comunicado pela prisão em flagrante. A partir daí o inquérito policial foi instaurado pelo delegado titular da delegacia de Maravilha, Diego Nunes, que vai dar continuidade ao inquérito policial, conclui-lo e encaminhá-lo ao poder judiciário”, disse o delegado Hugo Leonardo.

    A identidade da mãe e da criança não foram divulgadas. O Instituto de Medicina Legal de Arapiraca vai determinar a causa da morte.

    Após receber o inquérito da Polícia Civil, o exame de sanidade mental e o laudo com a causa da morte, o MP-AL vai decidir se denuncia ou não a mãe da criança.



    0 Comentários

    Deixe o seu comentário!